Horário: Seg a Sex - 08:00 às 19:00 / Sab - 08:00 às 12:00


  Contato : (61) 3263-0833 / (61) 3263-0834 / (61) 99257-6671

Nevus (Pintas)

O nevo melanocítico, ou nevo pigmentado, é um tumor benigno composto pelas células que dão cor à pele (melanócitos). São conhecidos popularmente como sinais, pintas ou verrugas, dependendo do seu tipo. Podem estar presentes desde o nascimento ou surgirem com o passar dos anos.

Manifestações Clínicas/Subtipos de Nevus

Geralmente surgem como pequenas manchas marrons ou pretas que podem permanecer planas ou, com o tempo, aumentarem de espessura, tornando-se elevadas.

Quanto mais elevadas se tornam, a coloração tende a se tornar mais clara. Quando os nevos ficam bem elevados podem ser da cor da pele e são, muitas vezes, confundidos com verrugas. Esses nevus elevados são também chamados de nevus celulares.

Existe uma forma de nevo melanocítico chamada de nevo melanocítico congênito que, em alguns casos, pode ser de grande dimensão, formando uma mancha elevada, rugosa, de coloração marrom ou negra e, geralmente, recoberta por pelos. Quando atingem áreas muito extensas do corpo recebem a denominação de nevo congênito gigante.

Outra forma é o nevo displásico, que tem como característica lesões cuja coloração não é uniforme e pode variar do róseo ao negro, o tamanho é maior, as bordas são irregulares e a pigmentação também. Podem existir em grande número na mesma pessoa e ocorrer em mais de um membro da família. O nevus displásico é considerado um marcador de risco para o desenvolvimento do melanoma (câncer de pele). Pessoas com nevus displásicos têm maior risco de desenvolver um melanoma durante a vida, devendo fazer um acompanhamento mais regular e detalhado.

Denomina-se nevo halo (ou nevo de Sutton) ao nevo melanocítico que desenvolve uma área de acromia (ausência de pigmentação) ao seu redor. Esta despigmentação é uma reação do organismo contra as células do nevo, que acabam atingindo também as células melanocíticas que o rodeiam, o que causa o halo despigmentado. Este processo pode levar ao desaparecimento total do nevo pigmentado e consequente repigmentação da pele.

Uma outra forma de apresentação é o nevo spilus, quando várias lesões pequeninas estão sobrepostas a uma mancha café com leite.

Tratamento

Na grande maioria dos casos não há necessidade de tratamento, a não ser por questões estéticas. Quando o tratamento for por motivos estéticos, a técnica cirúrgica pode ser o shaving associado à eletrocoagulação, que apresenta excelente resultado estético. Mas alguns nevos pigmentados podem sofrer processo de malignização, dando origem ao melanoma maligno, principalmente os nevos displásicos. Caso haja a suspeita de transformação, indica-se a retirada cirúrgica completa da lesão, com excisão e sutura.

Nevos pigmentados que estão aumentando de tamanho, mudando de cor, sangrando, ferindo, coçando ou inflamando podem estar em processo de malignização e devem ser avaliados pelo dermatologista. Além do exame clínico, o dermatologista pode realizar a dermatoscopia da lesão, na qual são observados detalhes microscópicos que auxiliam no diagnóstico e na tomada de conduta.

Paciente com múltiplos nevus, com histórico familiar de melanoma ou com nevus displásicos têm indicação da realização do acompanhamento por meio do mapeamento corporal com dermatoscopia. Neste exame as imagens tanto do corpo (macro) quanto as imagens ampliadas das pintas (micro) suspeitas são armazenadas permitindo um acompanhamento mais preciso. Veja mais na sessão de câncer de pele e tecnologias (mapeamento corporal com Fotofinder).