Nevus (Pintas)

nevo melanocítico, ou nevo pigmentado, é um tumor benigno composto pelas células que dão cor à pele (melanócitos). São conhecidos popularmente como sinais, pintas ou verrugas, dependendo do seu tipo. Podem estar presentes desde o nascimento ou surgirem com o passar dos anos.

Manifestações Clínicas/Subtipos de Nevus

Geralmente surgem como pequenas manchas marrons ou pretas que podem permanecer planas ou, com o tempo, aumentarem de espessura, tornando-se elevadas.

Quanto mais elevadas se tornam, a coloração tende a se tornar mais clara. Quando os nevos ficam bem elevados podem ser da cor da pele e são, muitas vezes, confundidos com verrugas. Esses nevus elevados são também chamados de nevus celulares.

Existe uma forma de nevo melanocítico chamada de nevo melanocítico congênito que, em alguns casos, pode ser de grande dimensão, formando uma mancha elevada, rugosa, de coloração marrom ou negra e, geralmente, recoberta por pelos. Quando atingem áreas muito extensas do corpo recebem a denominação de nevo congênito gigante.

Outra forma é o nevo displásico, que tem como característica lesões cuja coloração não é uniforme e pode variar do róseo ao negro, o tamanho é maior, as bordas são irregulares e a pigmentação também. Podem existir em grande número na mesma pessoa e ocorrer em mais de um membro da família. O nevus displásico é considerado um marcador de risco para o desenvolvimento do melanoma (câncer de pele). Pessoas com nevus displásicos têm maior risco de desenvolver um melanoma durante a vida, devendo fazer um acompanhamento mais regular e detalhado.

Denomina-se nevo halo (ou nevo de Sutton) ao nevo melanocítico que desenvolve uma área de acromia (ausência de pigmentação) ao seu redor. Esta despigmentação é uma reação do organismo contra as células do nevo, que acabam atingindo também as células melanocíticas que o rodeiam, o que causa o halo despigmentado. Este processo pode levar ao desaparecimento total do nevo pigmentado e consequente repigmentação da pele.

Uma outra forma de apresentação é o nevo spilus, quando várias lesões pequeninas estão sobrepostas a uma mancha café com leite.

Tratamento

Na grande maioria dos casos não há necessidade de tratamento, a não ser por questões estéticas. Quando o tratamento for por motivos estéticos, a técnica cirúrgica pode ser o shaving associado à eletrocoagulação, que apresenta excelente resultado estético. Mas alguns nevos pigmentados podem sofrer processo de malignização, dando origem ao melanoma malignoprincipalmente os nevos displásicos. Caso haja a suspeita de transformação, indica-se a retirada cirúrgica completa da lesão, com excisão e sutura.

Nevos pigmentados que estão aumentando de tamanho, mudando de cor, sangrando, ferindo, coçando ou inflamando podem estar em processo de malignização e devem ser avaliados pelo dermatologista. Além do exame clínico, o dermatologista pode realizar a dermatoscopia da lesão, na qual são observados detalhes microscópicos que auxiliam no diagnóstico e na tomada de conduta.

Paciente com múltiplos nevus, com histórico familiar de melanoma ou com nevus displásicos têm indicação da realização do acompanhamento por meio do mapeamento corporal com dermatoscopia. Neste exame as imagens tanto do corpo (macro) quanto as imagens ampliadas das pintas (micro) suspeitas são armazenadas permitindo um acompanhamento mais preciso. Veja mais na sessão de câncer de pele e tecnologias (mapeamento corporal com Fotofinder).

Estamos reestruturando nosso site para te oferecer uma experiência ainda melhor!

Ok
X
Open chat
DRA. FABIANA DAMASCO
  • Graduação em Medicina pela Universidade de Brasília, UnB-DF – 2012
  • Residência Médica em Dermatologia Hospital Regional da Asa Norte. Brasilia-DF – 2016
  • Título de Especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia e pela Associação Médica Brasileira – 2016
  • Especialização em Oncologia Cutânea pela Universidade de São Paulo (HCFM-USP) e Instituto do câncer do Estado de São Paulo (ICESP) - 2017
  • Research Fellowship pela Universidade de Pittsburgh. Pittsburgh, EUA - 2018
  • Clinical Fellowship pelo Melanoma Institute of Australia e Sydney Melanoma Diagnostic Centre. Sydney, Australia - 2020
  • Membro Efetivo da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD); da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD), da International Dermoscopy Society (IDS).
DRA. ANA REGINA FRANCHI TRÁVOLO
  • Título de Especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia
  • Membro efetivo Titular da Sociedade Brasileira de Dermatologia - SBD
  • Membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica - SBCD
  • Membro da Sociedade Brasileita de Laser em Medicina e Cirurgia
  • Membro da International Association of Aesthetic Medicide
  • Graduada em Medicina pela Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto - FAMERP
  • Residência Médica em Clínica Médica e Dermatologia pela Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto - FAMERP
  • Fellow em Dermatologia e Lase pelo Hospital Ramon Cajal - Espanha.
DR. LUCIANO FERREIRA MORGADO
  • Título de Especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (Aprovação em 1º Lugar)
  • Membro efetivo Titular da Sociedade Brasileira de Dermatologia - SBD
  • Membro da Sociedade Brasileira de Cirgia Dermatológica - SBCD
  • Membro da Sociedade Brasileita de Lase em Medicina e Cirurgia
  • Membro da International Association of Aesthetic Medicide
  • Graduado em Medicina pela UNB - Universidade de Brasília.
  • Residência Médica em Clínica médica e dermatologia pela Universidade Federal de Goiás - UFG
  • Pos Graduação em Cirurgia Dermatológica, Laser e Dermatologia Estética pela FM-ABC São Paulo
  • Aperfeitoçoamento em Tricologia - C. DermaHair - SP
  • Mestre pela Universidade de Brasília - UnB
  • Fellow em Cirurgia Micrográfica de Mohs no Centro de Cirurgia Micrógrafica do Rio de Janeiro / Santa casa de Misericórdia - RJ
DRA. JÚLIA KIPPERT

- Título de especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia;

- Membro efetivo titular da Sociedade Brasileira de Dermatologia - SBD;

- Membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica – SBCD;

- Graduada em Medicina pela Universidade Federal de Rondônia – UNIR;

- Residência Médica em Dermatologia na Universidade Estadual de Londrina - UEL;

- Especialização em Cosmiatria Dra. Bruna Bravo no Rio de Janeiro;

- Fellow em Beleza Funcional;

- Pós-graduanda em tricoses e onicoses (cabelo e unha).

DRA. BRUNA CÔRTES

Graduação em Medicina na Universidade de Brasília.

Residência médica em Dermatologia no Hospital Universitário de Brasília.

Especialista em Radioeletrocirurgia e Indução percutânea de Colágeno com Agulhas.

Especialista em Dermatoscopia Avançada e Dermatopatologia.

DRA. TAINAH DE ALMEIDA

Graduação na Universidade Católica de Brasília (UCB), Brasília - DF

Residência Médica em Dermatologia no Hospital Regional da Asa norte (HRAN), Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal (SES-DF)

Especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e Associação Médica Brasileira (AMB)

DRA. MARIANA QUEIROZ

Residência Médica em Clínica Médica pela Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo - SP

Especialização em Dermatologia pela Universidade Lusíada - Santos - SP ( Credenciada pela Sociedade Brasileira de Dermatologia - SBD)

Membro Titular da Sociedade Brasileira de Dermatologia