Melasma

melasma, também chamado de cloasma, é uma manifestação caracterizada por manchas escuras na face. O seu surgimento geralmente está relacionado à gravidez ou ao uso de anticoncepcionais hormonais (pílula) e tem como fator desencadeante a exposição da pele ao sol. Quando estas manchas ocorrem durante a gravidez, recebem a denominação de cloasma gravídico.

A doença aparece principalmente nas mulheres, mas também pode acometer os homens. Além dos fatores hormonais e da exposição solar, a tendência genética e características raciais também influenciam o surgimento do melasma.

A profundidade em que se localiza o pigmento na pele determina o tipo de melasma, que pode ser epidérmico (mais superficial e que responde melhor ao tratamento), dérmico (mais profundo e de tratamento mais difícil) ou misto.

Manifestações Clínicas

A doença se caracteriza pelo surgimento de manchas escuras ou acastanhadas na face, principalmente nas regiões malares (maçãs do rosto), na testa, nariz, lábio superior e têmporas. As manchas geralmente têm limites imprecisos e são irregulares, formando placas que, em seu contorno, apresentam pontilhado pigmentar.

Tratamentos

Para tratar adequadamente o melasma é fundamental o uso de um protetor solar com fator de proteção 30 ou superior de forma regular e evitar a exposição solar. Quando possível, deve-se também evitar o uso de pílulas anticoncepcionais.

O tratamento inicialmente pode ser realizado com cremes ou loções despigmentantes associadas a ácidos, conforme a tolerância de cada paciente. Caso isso não seja suficiente, podem ser associados peelings químicos realizados em consultório pelo dermatologista.

O passo seguinte, para os melasmas mais resistentes e profundos é o uso do Laser Spectra, que tem FDA e protocolo próprio para o tratamento do melasma. Normalmente são realizadas 12 sessões com intervalo de aplicação semanal. Em algumas ocasiões pode já ser a primeira opção, como naqueles pacientes com intolerância a ácidos e que não podem ficar períodos com descamação na face, devido a compromissos pessoais, uma vez que aplicação do Spectra para melasma só deixa a pele levemente avermelhada, o que regride habitualmente em pouco tempo.

Recentemente um novo método tem ajudado em alguns casos: o microagulhamento localizado pode ajudar a remover a pigmentação de alguns tipos de melasma. Normalmente são realizadas três sessões com intervalo mensal. O microagulhamento pode ser associado ao Drug Delivery com ácido tranexâmico, que tem atividade anti-inflamatória e despigmentante.

É importante que os procedimentos sejam realizados pelo dermatologista, que é o profissional mais capacitado para avaliar os diversos tipos de pele e indicar a sequência de tratamento mais adequada, além de tratar eventuais complicações dos procedimentos.

Alguns melasmas são clareados mais facilmente, enquanto outros são mais resistentes, clareando apenas parcialmente. Importante depois fazer também a manutenção do tratamento, com o uso regular do protetor solar, uma vez que recidivas podem ocorrer. Veja mais na sessão de tratamentos estéticos.

Open chat
DRA. JÚLIA KIPPERT

- Título de especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia;

- Membro efetivo titular da Sociedade Brasileira de Dermatologia - SBD;

- Membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica – SBCD;

- Graduada em Medicina pela Universidade Federal de Rondônia – UNIR;

- Residência Médica em Dermatologia na Universidade Estadual de Londrina - UEL;

- Especialização em Cosmiatria Dra. Bruna Bravo no Rio de Janeiro;

- Fellow em Beleza Funcional;

- Pós-graduanda em tricoses e onicoses (cabelo e unha).

DRA. BRUNA CÔRTES

Graduação em Medicina na Universidade de Brasília.

Residência médica em Dermatologia no Hospital Universitário de Brasília.

Especialista em Radioeletrocirurgia e Indução percutânea de Colágeno com Agulhas.

Especialista em Dermatoscopia Avançada e Dermatopatologia.

DRA. TAINAH DE ALMEIDA

Graduação na Universidade Católica de Brasília (UCB), Brasília - DF

Residência Médica em Dermatologia no Hospital Regional da Asa norte (HRAN), Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal (SES-DF)

Especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e Associação Médica Brasileira (AMB)

DRA. MARIANA QUEIROZ

Residência Médica em Clínica Médica pela Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo - SP

Especialização em Dermatologia pela Universidade Lusíada - Santos - SP ( Credenciada pela Sociedade Brasileira de Dermatologia - SBD)

Membro Titular da Sociedade Brasileira de Dermatologia